Dois conceitos muito importantes que estão em destaque no mercado online são os de marketplace e e-commerce. Alguns empreendedores até confundem esses dois modelos, o que pode ser perigoso no momento da escolha do que aplicar nos negócios e nos resultados obtidos.

Por isso, neste post, mostraremos o que representam esses dois modelos de negócios e as principais diferenças entre eles. Confira!

O que é um e-commerce?

O e-commerce representa o comércio eletrônico. Uma empresa utiliza a internet para hospedar a sua loja virtual e oferecer seus produtos ou serviços para o público.

Esse modelo de negócio vem crescendo muito e atrai cada vez mais empreendedores pelo baixo custo de operação e manutenção e o ótimo alcance — se comparado a uma loja física. Com o e-commerce é possível obter clientes de qualquer parte do mundo com facilidade.

O que é um marketplace?

O marketplace é um modelo de negócio mais novo. Ele também utiliza a internet como meio de vendas, mas de uma forma diferente.

Normalmente, uma empresa reconhecida no mercado coloca o seu site à disposição de empreendedores menores. Esses negócios colocam seus produtos no site anunciante, que faz a venda para o cliente final.

Para ficar claro, vamos usar um exemplo. Imagine que você é o fornecedor A e tem um concorrente, que é o fornecedor B. Enquanto no seu e-commerce você só vende os produtos A, o marketplace vende os itens de A, B, C, D e de outros vários fornecedores.

Esse novo modelo também é bem atrativo e é impulsionado pelo baixo investimento necessário e a facilidade de inicializar as vendas. Além disso, dá espaço principalmente para os empreendedores menores.

Quais são as principais diferenças entre o marketplace e e-commerce?

Agora que você já começou a entender sobre marketplace e e-commerce, pode estar com algumas dúvidas sobre as características de cada modelo. Então, agora, vamos indicar as principais diferenças entre eles.

1. Divulgação dos produtos

No e-commerce, a divulgação dos produtos é toda por conta do fornecedor. Ele deve investir em diferentes ações de marketing para atrair os consumidores para o site e, assim, aumentar as vendas.

Já no modelo de negócio do marketplace, essa preocupação não fica por conta do fornecedor do produto. Quem deve fazer a divulgação é a empresa gestora, a anunciante. Como, normalmente, ela já possui um nome de expressão no mercado, essa divulgação se torna mais eficiente e atrai mais pessoas.

2. Operação do negócio

A operação dos negócios é outro ponto que os diferencia. Se você tem um produto e quer oferecê-lo para o público, com o e-commerce você terá que se preocupar com toda a estrutura da loja virtual, o gerenciamento dos pedidos, a logística e ainda a parte financeira.

Já no marketplace, essa preocupação é bem reduzida. Ao optar por essa alternativa, você disponibilizará o produto para a empresa gestora e receberá uma notificação quando um item for vendido. Assim, você ficará responsável por manter o estoque e enviar diretamente para o cliente final.

3. Investimento necessário de entrada

Para começar a operar com os dois modelos, os valores são bem diferentes. No e-commerce, o empreendedor precisa estruturar a sua empresa, criar um bom site, aumentar o conhecimento da marca e atrair o público. A partir daí as vendas começam a ficar interessantes.

Já no marketplace, a barreira de entrada é quase zero. Você precisa atender aos requisitos impostos em cada empresa e manter o controle de estoque dos produtos para enviá-los quando forem vendidos.

4. Margem de lucro

Analisando as diferenças anteriores, o primeiro pensamento que vem à mente é o de que o marketplace é bem mais vantajoso do que o e-commerce, mas não é tão simples assim.

No marketplace, a maioria dos custos e preocupações ficam para a empresa gestora, enquanto o fornecedor pode usufruir de toda a influência da marca. Porém, para isso, o operador do marketplace fica com uma boa parcela do lucro, o que reduz o ganho do fornecedor. Isso pode fazer toda a diferença no seu planejamento.

Se você acredita que tem toda a estrutura necessária para manter a sua loja virtual, atuar diretamente com o público e aproveitar as oportunidades, abrir o e-commerce pode ser mais interessante.

Já se a estrutura disponível não for tão segura ou se você preferir uma maior facilidade de operação e manutenção, o marketplace pode ser mais indicado.

5. Público-alvo

O público presente em um e-commerce e em um marketplace é bem diferente. Uma empresa que trabalha com o comércio virtual normalmente foca em um determinado nicho de mercado. A variação dos produtos é menor, o que faz com que a audiência seja mais específica e também reduzida.

Já no marketplace, o mix de produtos é bem superior. Um mesmo ambiente virtual pode ter diversos departamentos, o que gera um tráfego enorme e um público muito mais heterogêneo.

6. Condições de pagamento

Entre o marketplace e o e-commerce, a primeira opção trabalha com um volume de vendas bem maior, o que confere a ele mais possibilidades de negociação com os gestores de pagamento. Assim, a empresa consegue repassar mais opções de parcelamento e condições aos clientes.

Já no e-commerce, esse poder de negociação é menor, mas é possível encontrar bons meios de pagamento a oferecer para os clientes.

7. Concorrência

A concorrência é um fator que pode pesar bastante na escolha entre os dois modelos. No e-commerce, a concorrência será com outras lojas virtuais e você construirá um ambiente próprio da marca.

Já no marketplace, essa concorrência pode estar dentro da própria página. Produtos similares, mas de fornecedores diferentes, podem ser mostrados lado a lado. A briga por preço se torna mais acirrada nesse modelo, pois a comparação é facilitada ao consumidor.

8. Planejamento estratégico

Por fim, é necessário falar sobre o controle do negócio pelo empreendedor. No marketplace, as ações são direcionadas pela empresa gestora. O marketing trabalhado é definido por ela e o fornecedor não tem peso nessa decisão.

Já no e-commerce, todo o plano estratégico fica sobre a responsabilidade do empreendedor. Ele pode comparar diferentes estratégias, testar os resultados, as eficiências das ações e usar boas ferramentas para medir o desempenho do site.

Como escolher o modelo ideal?

Como foi possível ver nesse post, ambos são modelos de negócio muito interessantes, mas bem diferentes entre si. Escolher o modelo errado pode limitar bastante os seus resultados e fazer com que você perca tempo e muito dinheiro.

Por isso, estude cada diferença que listamos entre o marketplace e e-commerce e faça uma projeção no seu negócio para identificar a opção que apresenta o maior potencial de acordo com as suas características.

E então, gostou desse artigo? Então assine nossa newsletter para ficar sempre por dentro das novidades!

Artigos que você pode se interessar